Sep 162010
 
ideas from SAP

faith goble

Michael S. Hopkins, editor da revista MIT Sloan Management Review  entrevistou Peter Graf (desde março de 2009, o primeiro Chefe Executivo para a Sustentabilidade da empresa),  para entender como a SAP conseguiu implementar a sustentabilidade. Abaixo alguns destaques da entrevista.

Inicialmente o sr. Graf teve que garantir que seus comentários e recomendações para aplicação de sistemas e soluções sustentáveis não fossem percebidos como exibições de  marketing, para isso adotou a SAP como usuária exemplo destas soluções. Assim, a empresa tornou-se um modelo para o mercado.

O segundo, e talvez principal, passo, foi tornar a sustentabilidade uma estratégia de negócios, provando sua importância para o Conselho Diretor.  Dois anos antes de assumir, o sr. Graf começou um “sistema”de educação continuada sobre sustentabilidade, enviando emails sobre o tema para os diretores do Conselho.  Só após este período, e antes da reunião final, ele apresentou o caso de negócios para a sustentabilidade da SAP pessoalmente para cada diretor, focando nas áreas de maior impacto para cada um deles. O caso foi baseado em:

  • Compliance: atendimento a legislações, outros requisitos e demandas dos clientes
  • Produtividade dos recursos: energéticos, materiais, etc.
  • Vantagem competitiva
  • Reputação interna: orgulho dos funcionários da SAP, etc.
  • Sustentabilidade do negócio

Sucesso! Em 20 minutos o Conselho Diretor aprovou unanimemente a decisão de adotar a estratégia para a sustentabilidade na SAP, criando a Chefia Executiva para Sustentabilidade.

A Chefia estabeleceu algumas metas como: reduzir a pegada de carbono, usar carros elétricos, aumentar o uso de energia renovável, avançar no engajamento a distância com clientes, entre outras. Além disso, o sr. Graf já conta com quase 1000 patrocinadores da sustentabilidade na SAP (champions), pessoas que estão engajadas na mudança cultural para a sustentabilidade em locais, áreas e níveis hierárquicos distintos.

O sr. Graf termina a entrevista contando o que aprendeu em 14 anos de empresa: “… SAP é de um tamanho, que seja o que for que fizermos é importante, e o que quer que deixemos de fazer também é. E se nos engajarmos em um tema sinceramente e investirmos tanto quanto estamos fazendo com sustentabilidade, damos a liberdade para que todos os outros façam o mesmo.”

Afinal, como disse Nelson Mandela: “… Se deixarmos nossa luz brilhar, inconscientemente, damos a permissão para que outras pessoas façam o mesmo. A medida que nos libertamos de nossos medos, nossa presença automaticamente liberta os outros.”

Para ler o artigo completo, acesse:  http://sloanreview.mit.edu/beyond-green/how-sap-made-the-business-case-for-sustainability/?utm_source=Publicaster&utm_medium=email&utm_campaign=Aug%2013%20Sust%20ENews&utm_term=interviewed

Share

Sobre a autora:

Sueli Chiozzotto é formada em engenharia de produção pela Escola Politécnica da USP, tem MBA pela Universidade da California em Berkeley e é sócia da MGM Partners, onde desenvolve projetos nas áreas de sustentabilidade, responsabilidade e investimentos sociais para empresas, fundações e ONGs.
 September 16, 2010  Posted by on September 16, 2010 Casos Tagged with: , , , ,  Add comments

  One Response to “SAP e o modelo de negócios para a sustentabilidade”

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)