Dec 212009
 

alpha du centaure

A consultoria SustainAbility lançou em 2001 o relatório “Develop Value” (Desenvolvendo Valor) onde indica como as empresas podem criar valor através da sustentabilidade. Ressalta, no entanto, que enquanto as empresas podem fazer o bem e beneficiarem-se disso, governos e outros atores tem papel fundamental para o desenvolvimento sustentável.

 
Sabemos que integrar as agendas dos três setores é um imenso desafio, como vimos recentemente na Conferência de Copenhague, mas ainda assim, isto não é razão para que empresas esquivem-se de suas responsabilidades de desenvolvimento… sustentável, é claro!

Através do estudo de casos reais do mundo dos negócios, o relatório identificou as áreas onde é mais provável que a empresa crie valor através da sustentabilidade:

  • Redução de custos, especialmente através da revisão dos custos ambientais e provendo boas condições de trabalho
  • Aumento de receitas através de melhorias ambientais (ampliando mercados através de selos, certificações e novos produtos e serviços, por exemplo) e desenvolvendo a economia local
  • Redução de riscos (de ações legais, mudanças regulatórias, perda de reputação e/ou valor da marca, por exemplo) e melhoria do acesso ao capital através do engajamento de stakeholders (tradução livre: público de interesse) proporcionando melhoria de confiança, reputação e permitindo que a empresa obtenha a licença para operar
  • Reputação (da marca e em alguns casos dos donos) através de melhorias ambientais, atraindo capital intelectual, facilitando o acesso a melhores financiamentos, melhorando reputação e a licença para operar
  • Melhoria do capital humano (conhecimentos, habilidades, motivação, saúde e comprometimento) através da gestão de recursos humanos reduzindo faltas e turn-over, por exemplo
  • Melhoria de acesso ao capital devido à melhor governança, especialmente para grandes empresas
  • Outras oportunidades devido ao desenvolvimento de:
    •  Produtos “verdes”: inclusive explorando nichos como energia renovável, eco-turismo, agricultura, florestas e pesca sustentáveis
    • Comunidade: mitigando impactos e melhorando a reputação local. Neste caso mesmo ações filantrópicas devem ser estratégicas. Por isso é comum que empresas extrativistas, que precisam obter localmente sua licença para operar, ampliem sua atuação através de institutos e departamentos específicos para a gestão do investimento social externo local 

Aku 🙂 (Away)

Desta maneira, identificou sete fatores para a sustentabilidade, são eles: 

1. Eco-eficiência, que permite uma maior produtividade operacional / financeira devido à: 

  • Redução de uso de materiais, energia e emissões de poluente
  • Eliminação / redução de multas, licenças e outras despesas regulatórias ambientais
  • Custos com manuseio de resíduos, poluentes e outros subprodutos agressivos
  • Melhoria de processos e fluxos de materiais em toda a cadeia de valor

 

2. Gestão de recursos humanos: provendo boas condições de trabalho as empresas reduzem custos (turn-over, faltas e recrutamento, por exemplo) e aumentam sua produtividade. Algumas condições de trabalho que devem ser avaliadas são:

  • Salário
  • Benefício
  • Oportunidades de desenvolvimento: carreira / treinament
  • Saúde
  • Segurança
  • Diversidade
  • Direitos humanos

 

3. Desenvolvimento da economia local: provendo ferramentas para o desenvolvimento das comunidades e compartilhando os benefícios de suas atividades localmente, a empresa beneficia-se principalmente com: 

  • Melhor acesso a produtos e serviços
  • Melhor pool para recrutamento
  • Desenvolvimento de mercados locais
  • Reputação
  • Licença para operar.

 Entre as ferramentas para desenvolvimento local estão: 

  •  
    • Transferência de conhecimentos e tecnologia
    • Promoção de preços justos para fornecedores locai
    • Novos negócios e serviços
    • Micro-financiamentos e meios de telecomunicações

4. Inovação através de produtos e serviços “verdes”: saindo do mero desenvolvimento de produtos e serviços para a busca de produtos e serviços com menor impacto ambiental e social em todo seu ciclo de vida. Para isso deve-se considerar: 

  • Uso de matérias primas
  • Impactos dos processos de produção
  • Modos de descarte por clientes e consumidores finais

5. Engajamento de stakeholders: consulta aos públicos de interesse buscando a melhoria do processo de tomada de decisões e o aprendizado mútuo. Pode ocorrer de diversas formas:

  • Diálogos sobre impactos ambientais e sociais
  • Comunicação externa
  • Parcerias

 

6. Governança e gestão: sistemas de gestão e de governança mostrando a responsabilidade da empresa para com acionistas e outros stakeholders e alinhando incentivos e práticas para a sustentabilidade, através de elementos como:

  • Missão, princípios e valores
  • Códigos de conduta inclusive contra corrupção, a favor dos direitos humanos e da transparência
  • Relatórios
  • Auditorias
  • Políticas

 

7. Desenvolvimento da comunidade: as empresas podem ir além de seu crescimento econômico provendo saúde, educação, água potável e saneamento às comunidades onde estão inseridas, ajudando a lutar contra corrupção e defendendo direitos humanos e indígenas. O apoio pode ser financeiro, em recursos humanos ou conhecimentos. 

  

sylvar

O estudo também apontava as tendências de ganhos conforme o porte da empresa — ainda bastante atuais:    

  • Pequenas e médias empresas:
    • Economias em custos e crescimento de receitas
    • Produtos “verdes”
  • Empresas em mercados emergentes:
    • Redução de custos — menor foco no crescimento de receitas  
    • Gestão de riscos e melhoria na reputação e no valor da marca
    • Governança e crescimento sócio-econômico
  • Multinacionais internacionais: intangíveis são o maior foco­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­

Veja este e outros artigos em: www.sustainability.com 

Share

Sobre a autora:

Sueli Chiozzotto é formada em engenharia de produção pela Escola Politécnica da USP, tem MBA pela Universidade da California em Berkeley e é sócia da MGM Partners, onde desenvolve projetos nas áreas de sustentabilidade, responsabilidade e investimentos sociais para empresas, fundações e ONGs.

  2 Responses to “Criando Valor nos Negócios através da Sustentabilidade:”

  1. Sueli,
    achei muito interessante seu blog, parabéns! Estou terminando o curso de Estratégia de Gestão de Pessoas no Senac, e percebi como uma apaixonada pelo meio ambiente, o quanto meu curso tem em comum com esta área. Estou fazendo um trabalho de estratégia de negócios é para daqui a 2 semanas, e estamos fazendo sobre empresas que tem foco na gestão do meio ambiente, como faço para entrevista-la? Seria uma honra se pudesse dar dicas, é só um traabalho pra uma matéria, mas quero fazer com empenho.
    Stephanie

  2. Fiquei muito feliz em saber que você gostou do blog, e diria que eu é quem me sinto honrada, obrigada!
    Abraços e continue visitando o blog!

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)